Serrolândia: Pai revoltado com material didático usado pelo Colégio Municipal

12 de set de 2013



O senhor Romilton Souza dos Reis, morador do Bairro Terezinha Fernandes, pai de uma aluna do Colégio Municipal de Serrolândia, revoltado com o que foi passado para sua filha, procura o Portal de Serrolândia, para fazer uma denuncia com relação ao que foi ensinado em sala de aula no dia 06 de setembro deste ano.

Segundo o pai da aluna de apenas 10 anos, ao chegar a sua residência foi procurado por sua filha que se negava a fazer o trabalho de casa, o qual foi passado por um professor do colégio, ao perguntar o motivo, à filha disse que não era macumbeira, foi então que o pai ao ver o trabalho se deparou com uma receita um tanto quanto estranha, a receita mais parecia realmente um feitiço, inconformado com o material didático usado, foi procurar a direção do colégio para que o mesmo prestasse esclarecimentos, e o que foi passado para o pai, é que não tinha nada demais no trabalho apresentado.

Mas fica a pergunta, o que realmente ensina um trabalho com esse teor? Segundo a aluna de apenas 10 anos, isso para ela é feitiçaria ou macumba, e foge do que realmente deve ser ensinado em sala de aula.


Portal de Serrolândia

22 comentários:

  1. Inúmeros são os alunos que se dão mal em vestibulares por não terem domínio em redação. Enquanto isso a escola ensina receita de bruxaria!! Ai já é de mais viu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Inúmeros são os alunos QUE SE DÃO MAL NA VIDA, pois adotam certas posturas, que com certeza não aprendem na escola, e Vestibular nunca foi e nem nunca será medidor de conhecimentos, é apenas nivelador de bons desempenhos momentâneos, tanto é que pela falta de formação humana, alguns que chegam a universidade, desistem no primeiro obstaculo. Deve ser com Certeza por conta de uma Bruxaria, não?

      Excluir
    2. O contexto é totalmente diferente. A escola não passou ou ensinou uma receita de bruxarias, mas sim está preparando o alunadop para o vestibular, pois na realidade,questões em vestebulares, enem, concursos é exatamente isso: Fazer o aluno a ter visão, a produzir textos, para o pai é clar, parece estranho, pois eel não teve provavelmente uma formação dentro dessa atualidade. Estamos na modernidade ou melhor pós modernidade, onde com certeza a visão estudantil sabe que o professor não passou uma receita para bruxaria, mas uma forma do estudante fazer sua análise crítica de interpretar e produzir.

      Excluir
    3. Tantas coisas com as quais esse pai deveria se revoltar... Triste esse fato virar notícia e ser publicado em redes sociais com comentários carregados de preconceitos e de ataques ao professor, o qual certamente tem muito mais propriedade acerca de literatura do que muitos pseudo críticos por aí. Sinceramente é triste. Pais, orientem seus filhos, ensinem os mesmos a terem respeito ao próximo, ao invés de ficar incitando revoltas sem fundamento. Há muitas cobranças em relação à competência do professor. Informem-se!Sejam adultos antes de mais nada. Essa sociedade é toda pedagoga, toda entendida de metodologias educativas, só não possuem senso de realidade...

      Excluir
  2. A questão que fica é a situação ridícula e decadente que o ensino público está chegando. Parece que nossos professores estão abandonando o bom senso e entregando-se ao ridículo. Com que o objetivo uma "receita de bruxa" é útil em uma disciplina voltada para a produção de texto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Respondendo ao estimado Lucas, as vezes para pura e simples transcrição, uma vez que os deficits de aprendizados, problemas cognitivos, familiares, psicológicos, psiquiátricos, sexuais, ou o puro e simples não se interessar, dentre outros, ocorrem com frequências, impedindo-os assim de progredir, o atual formato da escola tem a sua parcela de CULPA, obvio, mas a escola é reflexo da sociedade, e os professores deveriam ser mais respeitados, e não ter a sua POSTURA JULGADA como ridícula, como vocês sem propriedade o faz.

      Excluir
    2. Ao contrário, a escola pública com esse texto atual, com nova forma de visão crítica, metodologia nova de fazer o aluno a interpretar e pruduzir texto, demonstra que está modernizada, dentro dos novos parâmetros educacionais e evoluindo com novas formas do ensino moderno.

      Excluir
  3. Bom dia a todos os possíveis leitores (LEIAM ATÉ O FINAL)

    Estou em anônimo, não porque tenha medo de sustentar a minha convicção, mas sim pelas possíveis retaliações que poderia sofrer, sabemos que existem críticas descomedidas em nosso meio. Não fui eu o professor, não sei o que lhe levou a passar a seguinte atividade, mais enfim vamos aos pontos.

    PRIMEIRO: Existe na Literatura, um característica que se chama, “ A exploração do fantástico”, ou seja, Pegar animais, objetos inanimados, atribuir a esses elementos características sobre humanas, como acontece nos contos de fadas, logo afirmo que isso é o que deve ter acontecido, o professor deveria estar trabalhando os Contos de fadas, e levou essa atividade para complementar, com certeza a sua explicação.

    SEGUNDO: Não se pode julgar uma situação fora de contexto, é muito fácil julgar o que está sendo exposto, evidenciado, como já afirmei acima o professor deve ter bem trabalhado, o assunto, para enfim passar a atividade.

    TERCEIRO: Nunca que essa brincadeira constitui-se como MACUMBA, e mesmo que se constituísse e essa temática fosse trabalhada em sala de aula, estaríamos respaldados pela Lei 11.645/08, que torna obrigatório o ensino da história e cultura afro-brasileira e africana em todas as escolas, públicas e particulares, do ensino fundamental até o ensino médio. Mesmo sendo de maioria Cristã Evangélicos/Católicos, a Lei de Diretrizes e Base LDB, lei que atualmente junto com os PCNs “regem” a educação Brasileira.
    Por fim saliento que esse veiculo OFICIAL de informação, assegurou ao cidadão seu direito de expor suas opiniões, credos, porém expões instituições mesmo que pública, onde as pessoas que lá estão foram colocadas em situação constrangedora, afirmo que TODOS que lá trabalham adotam uma postura séria, preocupados com o desenvolvimento do conhecimento dos que por lá passam, ao contrário de outros, que só se interessam pela formação de um indivíduo quando se depara mediante a uma situação dessas. E digo mais, o portal, pai e a sociedade, deveriam rever algumas posturas, pois colocar a Macumba, ou qualquer outro seguimento que represente o povo, mesmo que não lhe agrade, como algo pejorativo, constitui-se como crime.

    Ah, respondendo a pergunta,
    “Mas fica a pergunta, o que realmente ensina um trabalho com esse teor? Segundo a aluna de apenas 10 anos, isso para ela é feitiçaria ou macumba, e foge do que realmente deve ser ensinado em sala de aula.”

    Estamos preocupados com a formação humana, em preparar esse aluno, para que, mesmo que ele tenha um ponto de vista, ele não ridicularize os outros que são divergentes do seu, como aconteceu agora.

    Espero ter esclarecido, estudar é uma benção!
    Att.,
    Ulisses

    ResponderExcluir
  4. "Com que o objetivo uma "receita de bruxa" é útil em uma disciplina voltada para a produção de texto?"
    Para incentivar a criatividade. Pra vcs é melhor que seus filhos fiquem só copiando o que um professor escreve num quadro ou que ele aprenda a criar, a produzir?
    Enquanto vcs reclamam de um professor que tenta estimular a criatividade das crianças em uma escola pública e com uma atividade divertida, os filhos de vcs ficam cada vez mais condicionados a apenas copiar, repetir e nada criar. E não esqueça que as pessoas mais bem sucedidas nesse mundo são aqueles que sabem inventar coisas novas, que são criativos.

    ResponderExcluir
  5. Tudo o que eu vi foi uma atividade divertida e que visava estimular a criatividade das crianças. É fazendo primeiro esse tipo de atividade boba que eles vão construir as bases das quais vão precisar para elaborar textos bons quando estiverem maiores. Sem criatividade, não há boa redação. Ou vcs queriam que a professa ps mandasse (crianças de 10 anos) escrever sobre gravidez na adolescência, drogas e violência?

    ResponderExcluir
  6. Deve ser trabalhos sobre a sexta feira 13 dia do halloy deve ser trabalho relacionado a estória,lendas na escola não devemos confundir as coisas e ver que esse trabalho faz parte da imaginaçcão e criação infantil esse tipo de atitude é uma IGNORANCIA mas não é de se estranhar vindo quem veio

    ResponderExcluir
  7. Pai do Céu, temos que rever esse conceito de ensinar pois chegamos ao fim do poço com uma educação publica falida, que nao vai ajudar o aluno intelectualmente em nada. apenas enato ensinando por ensinar para que os nossos alunos seja mais um analfabeto funcional,isso ai mesmo pai jogue duro va a luta.acorda coordenação pegagogica, para que serve planejamento/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabemos que a educação pública tem sua decadência, porém caro amigo não nesse contexto, o mundo avança, as pessoas avançam e a educação precisa avançar e esse texto não faz falência a educação, ao contrário, leva o aluno a aprender destinguir a fantasia do real, a analisar e pruduzir textos, acabou o tempo do professor ditar e o aluno copiar. Essa nova forma de educação está dentro do contexto pedagogico, do planejamento educacional a nível nacional. Um texto desse tipo desperta sim a intelectualidade, a abrir os oslhos do estudante para saber realmente destinguir o real do ilusório.

      Excluir
  8. Gente, o texto não tem nada demais, e ao meu ver o teor educativo está no fato de estimular a criatividade das crianças, bem com desenvolver a produção textual das mesma... harry potter é dos livros literários mais lidos em todo o mundo, e o conteúdo é o misticismo, e a grande maioria dos fãs de Harry são intelectuais... Por favor! Serrolândia estamos no século XXI

    ResponderExcluir
  9. Realmente só em Serrolândia para dar enfase a uma coisa tão preconceituosa e ignorante quanto essa, pois mesmo que se tratasse de macumbaria (que na verdade foi apenas uma atividade de interpretação de texto) deveria haver respeito com a crença da mesma, onde ofender alguém de macumbeiro é um crime tão grave quanto o preconceito racial.
    A Lei 9.459, de 1997, considera crime a prática de discriminação ou preconceito contra religiões. Ninguém pode ser discriminado em razão de credo religioso. O crime de discriminação religiosa é inafiançável

    ResponderExcluir
  10. Sou educadora do colegio municipal e não vejo nada demais no texto, pois acredito que o intuito da professora era desenvolver a leitura e escrita do alunado, talvez houve uma interpretação distorcida em relação a proposta do uso desse texto, porque quando usado qualquer gênero textual que seja a professora primeiramente faz apesentação do mesmo mostrando como vai ser desenvolvida a atividade.
    Analisando o texto convenhamos:
    Princesa nunca vira sapa
    Achei um texto bem lúdico
    Atividade que envolve a criatividade do aluno
    Se eu fosse o professor ainda socializava a criação dos alunos e premiava receita mais criativa.
    Em suma o texto está coerente com o objetivo da atividade, e em contos e desenhos, filmes e outras também encontramos contextos como bruxa e feitiços.





    ResponderExcluir
  11. Sou estudante universitário, visito regularmente este portal, apesar do mesmo ser a penas um site sensacionalista. Nunca pensei que estaria a fazer um comentário em qualquer que fosse a publicação que o mesmo divulgasse, mas me indignei diante de tais afirmações por este portal apoiadas. Vejo que a educação caminha por vias ainda muito estreitas.
    Uma sociedade onde a diversidade não pode ser trabalhadas, caminha diretamente para a monocultura, e de nenhuma forma, a mesma, pode ser benéfica, pois vemos os radicalismos gerados por pessoas, a redor do mundo, por não aceitarem as mais diversas culturas. Não devemos contribuir para um sistema onde o preconceito e as intolerâncias imperam, caminhando para um sistema opressor.
    Neste momento posso dizer que este pai tenha cometido o crime de atitude ofensiva a crenças e prática religiosas, nesta simples atividade não há registro de prática religiosa, mas há a configuração de um crime, uma vez que tratou se da mesma, como macumba ou feitiçaria.
    Todos têm o direito de criticar, desde que isso seja feito sem desrespeito ou ódio, temos a liberdades de opinião e expressão, não foi o que publicaram. Em uma nação cada vez mais falida afirmo que o caminho para qualquer que seja a forma de expressão não é através da intolerância. Digo também que existem varias formas de se atingir um objetivo, que no caso do professor é educar, a partir de varias estratégia, estas para estruturar a aproximação do estudante ao conhecimento, é desta forma que se concebe uma escola laica.
    A LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996 que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, cita o seguinte:
    TÍTULO II
    Dos Princípios e Fins da Educação Nacional
    Art. 2º A educação, dever da família e do Estado, inspirada nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana, tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.
    Art. 3º O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:
    I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;
    II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber;
    III - pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas;
    IV - respeito à liberdade e apreço à tolerância;
    O que está na lei fundamenta o trabalho deste professor, seja quem for ele.

    ResponderExcluir
  12. SOU PROFESSORA E TAMBÉM NÃO VI NADA DEMAIS NESSE TEXTO,ACHEI ATÉ ENGRAÇADO....ABSURDO É O QUE ESSAS CRIANÇAS VEEM NA TV, NA INTERNET SEM NENHUMA CAUTELA POR PARTE DOS PAIS E RESPONSÁVEIS,E AS MÚSICAS QUE OUVEM ENTÃO... SINCERAMENTE,NÃO VI MOTIVO PRA TANTA POLÊMIC, ACHEI O TEXTO BEM LÚDICO TRABALHARIA NA MINHA SALA DE AULA SEM PROBLEMAS...

    ResponderExcluir
  13. Sou Universitária e fico muito triste por tanta Ignorância. Espero estar errada, mas, acredito que o nível educacional desse pai infelizmente seja " baixo" e sabemos que a educação começa em casa, e crianças são espelho do que vivenciam. se essa criança fez realmente esse comentário preconceituoso, supostamente ela deve ter ouvido em casa algo do tipo. Não adianta os pais quererem que seus filhos sejam educados se nem eles se esforçam para obter o minimo de conhecimento. Espero que esse pai procure entender um pouco mais sobre o ensino que a filha está tendo e que ele se eduque. E com relação a atividade aplicada faz parte do método de ensino usado pelo professor, é uma forma de incentivar e de tornar o aprendizado divertido.

    ResponderExcluir
  14. olá, em primeiro luggar gostaria de dizer que o pai desta criança não pode ser culpado totalmente por veicular noticia de da tal fato, pois o mesmo tem uma educação pautada em outros principios ou seja evangelicos, mas isto não significa que seja tão preconceituoso com o tema. Em segindo lugar fico triste em saber que assuntos como estes se tornam polemicos não propriamente pelo contexto, mas porque pessoas acabam colocando a politicagem para interferir na educação em nosso municipio, porque qual o problema em se trabalhar assuntos como estes em sala de aula, instigando a criança a escrever atraves da ludicdade, desta forma vamos abolir, os contos de fadas, as datas folcloricas de noisso país, ou melhor vamos abolir o ensino de historia que em muitas veses vem na contramão do cristianismo. A contradição é tamanha que na reportagem diz que a criança não tinha interesse de fazer pois não era macumbeira, más a criança fez e ainda ganhou um visto. Na verdade o direito desta criança foi sufocado, porque limitaram ela de escrever de forma criativa e ainda acabaram expondo a criança ao ridiculo, por causa de um sentimento fanático e politico que não por culpa do pai e sim pala falta de informação que infelismente prevalece...muito triste...

    ResponderExcluir
  15. Olá

    Percebemos que o assunto esta um tanto polêmico, mas também queria deixar meu comentário. Não sou evangélico, nem católico, nem de qualquer religião. Não tenho o porquê defender ninguém, mas percebo que do ponto de vista de muitos a questão é tão somente fanatismo religioso.
    Pelo que percebi, muitos focam principalmente a discriminação ou preconceito contra religiões. Bem sabemos que a Lei 9.459, de 1997, considera crime a prática de discriminação ou preconceito contra religiões. Ninguém pode ser discriminado em razão de credo religioso.

    Lembrando também que a Constituição Federal no seu Artigo 5º Inciso VIII Diz: “Ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;”
    O que muitos não entenderam ainda é que o pai da criança por ter uma crença, uma religião que não aceita, não pratica e não crer na pratica de feitiçaria, (e que ninguém na forma da lei poderá privar este direito).
    A Bíblia Sagrada no Livro de Gálatas Capitulo 5, nos versículos 19 a 21 assim: “Ora, as obras da carne são manifestas: imoralidade sexual, impureza e libertinagem; idolatria e FEITIÇARIA; ódio, discórdia, ciúmes, ira, egoísmo, dissensões, facções e inveja; embriaguez, orgias e coisas semelhantes. Eu os advirto, como antes já os adverti: Aqueles que praticam essas coisas não herdarão o Reino de Deus.”

    Se conforme a Constituição ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa, digam-me porque a criança será obrigada a fazer uma atividade que fere seus princípios religiosos?
    Fui coordenador pedagógico e professor, hoje sou apenas um aluno. Jamais diria que é ilegal o tema trabalhado, mas ninguém será submetido à obrigatoriedade de fazer algo que fere sua crença e/ou prive seus direitos.

    ResponderExcluir
  16. Precisamos repensar nossos currículos e as formas do que e como estamos ensinando nas nossas escolas. É muito triste perceber a carga de preconceito, tanto do site, quanto de muitas pessoas aqui com uma atividade que nada mais é do que uma forma de estimular a criatividade da criança. Quer dizer que sacrificamos o professor pela atividade de "feitiçaria", mas no entanto deixamos as crianças ligadas na frente da TV assistindo filmes de assassinatos, roubos, fraudes, etc. Vamos deixar de ser hipócritas e ensinar o que é essencial para as crianças de Serrolândia, não tolher o sua imaginação e criatividade inventiva. Quem aqui nunca ouviu de seus pais e avós, tios e bisavós, histórias de lobisomem, mula-sem-cabeça, saci-pererê, bruxas, fadas, duendes? Isso nos fez pessoas piores? Lamentável estarmos perdendo tempo com essa discursão retrógrada. Deveríamos estar avançando, mudando a cara dessa cidade.

    ResponderExcluir

 
Copyright © -2012 .:: PORTAL DE SERROLÂNDIA ::. All Rights Reserved | Template Design by Favorite Blogger Templates | Blogger Tips and Tricks